top of page
  • Foto do escritorradiotecno house

BERLIM NÃO INVENTOU O TECHNO. ENTÃO POR QUE A UNESCO NÃO HOMENAGEOU DETROIT COMO PATRIMÔNIO CULTURAL?


No dia 13 de março, a Alemanha ampliou sua lista de Patrimônio Cultural da UNESCO para incluir seis novas entradas. Entre elas estão o montanhismo na Saxônia, um vinho de frutas chamado viez e a "cultura techno em Berlim". De acordo com a UNESCO, uma "compreensão do patrimônio cultural intangível de diferentes comunidades ajuda no diálogo intercultural e incentiva o respeito mútuo por outros modos de vida". Isso é irritante quando se considera as origens do techno.

O techno é uma invenção dos avanços culturais e musicais da juventude predominantemente negra de Detroit e arredores em meados dos anos 80. Ele decolou em paralelo ao que estava acontecendo em Chicago e Nova York com o house e o hip-hop, respectivamente. Esses novos movimentos viriam a redefinir a música popular e as casas noturnas no final do século XX. Embora o hip-hop tenha passado a ter imensa influência nos EUA, o techno e o house foram inicialmente mais aclamados na Europa. Em seu comunicado à imprensa, a Comissão Alemã disse que o techno "é baseado em vários desenvolvimentos musicais" e "emergiu" da "cultura DJ" para se tornar "a trilha sonora do espírito de otimismo após a reunificação [alemã]". Essas são afirmações ousadas e, ao mesmo tempo, não mencionam Detroit ou os fundadores do gênero.


A diáspora africana é diretamente responsável pela maioria das inovações musicais do século XX - mas você não saberia disso olhando a lista da UNESCO. A capoeira e o samba de roda do Brasil; o reggae e a herança Maroon da Jamaica; e a bachata, o merengue e a dança Cocolo da República Dominicana são as únicas heranças de descendência africana no hemisfério ocidental que entraram na lista.

Vale a pena observar aqui que os EUA ainda não ratificaram a Convenção da UNESCO de 2003 sobre o Patrimônio Cultural Imaterial, o que significa que, juntamente com países como Austrália e Canadá, não podem apresentar nenhuma inscrição para a honra. (Isso é diferente da organização mais ampla da UNESCO, à qual os EUA voltaram a aderir em 2023 após uma ausência de cinco anos). Até que os EUA assinem a Convenção, o techno de Detroit talvez nunca seja reconhecido pela UNESCO.

Dito isso, o fato de a Comissão Alemã não ter mencionado Detroit em seu comunicado à imprensa é uma injustiça por si só. (Também não é um incidente isolado: um artigo recente da BBC sobre o techno de Berlim e a UNESCO ignora Detroit e os fundadores negros do gênero). O house, o hip-hop e o techno são uma continuação da tradição da soul music que inclui o blues, o jazz, o gospel, o R&B e o rock & roll. Todos esses gêneros são originários da cultura afro-americana e estão intrinsecamente ligados à situação e ao status dos povos africanos em um sistema global que os desumaniza constantemente.

Por meio dessa arte, encontramos sucesso e liberdade de expressão. A música e o entretenimento têm sido historicamente alguns dos poucos caminhos disponíveis para os descendentes da escravidão. Muitas pessoas adoram contestar as origens desses gêneros - e o techno está entre os mais contestados. Já discuti com pessoas que dizem coisas como: "O techno não teria sobrevivido sem a Europa". Essa combinação de arrogância e ignorância sempre me deixou atônito. A insinuação aqui é clara: nada é valioso até que seja aceito na corrente principal da sociedade branca.


No que diz respeito à situação dos afro-americanos, o fiasco da UNESCO é apenas mais um detalhe em uma longa linha de injustiças. Repetidamente, as coisas que são inicialmente consideradas de baixo nível e de baixa substância intelectual são posteriormente celebradas - assim que saem das mãos dos negros. Se a sociedade como um todo quer se curar, reconhecer e proteger aqueles que foram vítimas de exploração, então todos devem fazer melhor. Onde estaria o techno de Berlim se não fosse a Underground Resistance, Mike Huckaby ou Jeff Mills? Como esse desrespeito flagrante pela humanidade africana pode ser exibido em nome do capital cultural? Por que é tão difícil para os europeus darem crédito de forma clara e enfática onde o crédito é devido?

Basta olhar para a situação do mundo em 2024 para ver as respostas. É a mesma mentalidade que permite que as pessoas exijam respeito pela Ucrânia enquanto permanecem em silêncio sobre a situação da Palestina e os inúmeros horrores que ocorrem na África para tornar a vida ocidental conveniente. Um rápido discurso, um lote de reservas simbólicas e patrocínios corporativos serão apresentados como progresso - mas é preciso mais. É mais importante do que apenas a vida noturna e as honrarias da UNESCO. É preciso que haja uma mudança de consciência, um novo ajuste de contas na forma como vivemos e agimos para reparar essas feridas.

Ouça o Podcast que SilvaMusicRecords fez falando desse assunto.



0 visualização0 comentário

コメント


bottom of page