top of page
  • Foto do escritorradiotecno house

DJ Belga Amber Broos Conta Em Entrevista Exclusiva Um Pouco Mais Sobre Sua Carreira Com Apenas 22 Anos, Confira!


DJ Belga Amber Broos conta em entrevista exclusiva um pouco mais sobre sua carreira com apenas 22 anos, confira!


Um dos nomes revelação da cena eletrônica mundial é a DJ e produtora Belga, Amber Broos. A artista vem tendo um crescimento enorme nesses últimos anos, com direito a diversas datas em grandes eventos como Tomorrowland em suas três edições anuais, Awakening entre outros, e tudo isso com apenas 22 anos. Em 2024, Amber irá assinar seu próprio palco na edição do Tomorrowland Bélgica, em um dos palcos principais, o Atmosphere. Conversamos um pouco sobre todos esses feitos que vem acarretando em um crescimento na carreira de Amber, confira!

  1. Muitos DJs encontram um “ponto de virada” específico, uma faixa ou evento que define o início de sua verdadeira jornada na música. Você pode compartilhar um momento ou uma música que serviu como esse ponto de partida para você?

Houve um momento definitivo que marcou um ponto de virada em minha jornada musical, e foi quando toquei pela primeira vez a edição de Len Faki de Wide Open (DJ Hyperactive). Eu tinha 14 anos e essa faixa me cativou completamente com sua energia bruta. Foi minha introdução ao techno e, a partir desse momento, eu sabia que queria tocar mais desse gênero como DJ.

  1. A música eletrônica é um espectro amplo e diversificado. Em suas experiências com house, club e techno, você encontrou algum subgênero ou cultura dentro dessa esfera que o surpreendeu ou desafiou suas expectativas artísticas?

A música eletrônica é uma paisagem tão vasta, cheia de possibilidades infinitas, e me encontro continuamente desafiado pela rica diversidade dentro dela. Enquanto explorei extensivamente house, club e techno, o que realmente me mantém inspirado é a capacidade de mesclar e navegar entre diferentes subgêneros e culturas dentro dessa esfera. Sempre acreditei que a música não conhece fronteiras, e me recuso a me confinar a apenas um gênero ou rótulo. Sempre que subo atrás dos decks, adoro a oportunidade de explorar com diferentes sons. É essa liberdade de tocar múltiplos gêneros que não apenas mantém minha expressão artística autêntica e dinâmica, mas também cria uma conexão mais profunda com meu público.

  1. Todo artista tem um equipamento ou software que considera sua “arma secreta”. Você pode nos falar sobre uma ferramenta indispensável para o seu processo criativo?

Como DJ, existem ferramentas e equipamentos incríveis disponíveis que podem aprimorar uma performance. Enquanto alguns artistas podem ter uma “arma secreta” específica da qual juram, para mim, tudo se resume à própria música. Dito isso, se eu fosse destacar uma peça de equipamento que adiciona uma dimensão extra aos meus sets, seria o Pioneer RMX 1000. Sua versatilidade e interface intuitiva me permitem moldar o som em tempo real, adicionando efeitos para elevar meu set. No entanto, acredito firmemente que a verdadeira magia está na música e na energia compartilhada entre mim e a multidão. Essa conexão transcende qualquer equipamento individual.

  1. A performance ao vivo em eventos como o Tomorrowland certamente traz uma série única de pressões e expectativas. Como você prepara seu set para manter a autenticidade artística enquanto atende às expectativas de um público global?

Realizar ao vivo em eventos como o Tomorrowland definitivamente vem com seu próprio conjunto de pressões e expectativas, mas descobri que uma preparação minuciosa é fundamental para entregar um bom set. Um aspecto da minha preparação envolve selecionar as faixas para o meu set: minhas próprias faixas, joias pouco conhecidas de artistas em ascensão e músicas clássicas belgas que prestam homenagem às minhas raízes. Além disso, acredito na importância de testar novas faixas na frente de um público ao vivo antes de estreá-las em festivais importantes. Isso me permite ver a reação da multidão, ajustar o fluxo e garantir que as faixas ressoem com o público.

  1. Em um mundo em constante mudança, especialmente no contexto da música eletrônica, como você mantém seu som fresco e relevante? Existe um processo de reinvenção contínua?

Na paisagem sempre evoluindo da música eletrônica, permanecer atual e relevante é essencial. Para mim, tudo se resume a abraçar novos sons e ideias para incorporar em meus sets. Uma das maneiras como alcanço isso é mantendo-me atualizado sobre as últimas faixas e demos não lançadas. Hospedar um programa de rádio na One World Radio e Studio Brussel me expõe a uma ampla variedade de gêneros e talentos emergentes, permitindo-me descobrir ótimas novas faixas. Além disso, adoro ouvir os lançamentos mais recentes dos meus colegas DJs.

  1. A indústria da música, especialmente para DJs mulheres, pode apresentar desafios únicos. Como você navega nas dinâmicas de gênero neste espaço e que mudanças gostaria de ver no futuro?

Encontro inspiração nas mudanças positivas que tenho testemunhado nos últimos anos. Houve um notável surgimento de talentosas DJs mulheres, especialmente dentro da cena techno, onde muitos artistas líderes são mulheres. Essa tendência não é apenas encorajadora, mas também indicativa de uma mudança para uma maior inclusão e diversidade dentro da indústria. Na navegação das dinâmicas de gênero, concentro-me em celebrar as conquistas das colegas DJs mulheres e em apoiar umas às outras. Solidariedade desempenha papéis cruciais na superação de obstáculos e na derrubada de barreiras. Olhando para o futuro, minha esperança é ver um futuro onde a lacuna de gênero no DJing seja virtualmente inexistente.

  1. A transição de tocar localmente para se apresentar em palcos internacionais envolve muitas lições. Existe uma lição específica que você aprendeu nesta transição que gostaria de compartilhar com outros artistas em ascensão?

A transição de shows locais para palcos internacionais tem sido uma jornada incrivelmente gratificante para mim. No entanto, também veio com seus próprios desafios, especificamente em termos de viagens. Se há uma lição que aprendi e gostaria de compartilhar com outros artistas, é a importância de priorizar sua saúde. Viajar pode ser exaustivo, com padrões de sono irregulares e acesso a opções de alimentos não saudáveis. Portanto, meu conselho é priorizar o autocuidado e viver o mais saudável possível enquanto estiver na estrada. Cuidando de sua saúde física e mental, você estará melhor equipado para lidar com as demandas de turnês e performances em palcos internacionais.

  1. O conceito de legado é algo com que muitos artistas pensam. Que impacto ou contribuição você espera deixar no mundo da música eletrônica?

Para mim, o conceito de legado na música eletrônica não se trata de deixar para trás um som ou técnica específicos, mas sim sobre o impacto duradouro que você pode ter nas memórias das pessoas. Meu objetivo final é criar momentos inesquecíveis que permaneçam com meu público muito tempo depois que a música terminar. Espero deixar para trás uma sensação de alegria, conexão e experiências compartilhadas. Quero criar memórias felizes. Esses momentos de união são o que realmente importam para mim como artista. No final das contas, não se trata de fama ou reconhecimento, mas sim sobre a capacidade de tocar a vida das pessoas de maneira significativa através do poder da música. Se eu puder trazer um sorriso ao rosto de alguém ou evocar um sentimento de nostalgia com meus sets, então considerarei minha contribuição para o mundo da música eletrônica um sucesso.

  1. Você recentemente se apresentou novamente no Tomorrowland Winter, estreou no Awakenings Spring e ainda está curando seu próprio palco no Tomorrowland Belgium, o incrível Atmosphere. 2024 já começou com tudo; quais são suas expectativas e sonhos para os próximos anos?

Estou incrivelmente orgulhoso e grato pelas incríveis oportunidades que surgiram em meu caminho. Ao olhar para os próximos anos, quero continuar aproveitando cada momento ao máximo e espero poder continuar compartilhando minha música com o mundo. Tive o privilégio de tocar em alguns festivais e eventos incríveis na Ásia e na Europa, mas espero também poder tocar mais na América do Sul no futuro. Fui ao Tomorrowland Brasil no ano passado e estou muito animado para conhecer mais deste belo país e da América do Sul. Além disso, sempre fantasiei em hospedar minha própria noite em um clube lendário em Ibiza. É um sonho que espero transformar em realidade um dia no futuro. No geral, minhas expectativas e sonhos para os próximos anos são simples: continuar crescendo como artista, explorando novas oportunidades e espalhando amor e positividade através da minha música onde quer que eu vá.

0 visualização0 comentário

Comentarios


bottom of page