A segunda edição da KØNTACT entregou exatamente o que se esperava dela: ótima música, estreias emocionantes, clima de comunhão na pista, proximidade entre artistas e público (tanto entre si quanto na relação de troca, uns com os outros). Contato real, caloroso, íntimo, puro, em uma noite de sexta-feira de verão em Campinas.


Para além de promover a cena do techno melódico no país (e as diferentes atrações da festa comprovaram a versatilidade do estilo), esta é a premissa, a verdade artística e conceitual do BINARYH — um duo que é conhecido pela proximidade e relação de carinho que tem com os fãs. Essa proposta vai integralmente ao encontro do que o CAOS realiza desde que foi inaugurado, em dezembro de 2017; não à toa, a casa foi escolhida por Camila e Rene para hospedar o evento.


Marrie - Foto: Jean Flanders


A campineira Marrie, que já havia tocado na primeira edição, no D-Edge, mostrou por que foi oficializada como residente. Responsável pelo warm up, começou devagar e em clima de lounge, mas foi gradualmente crescendo em velocidade e peso, sendo muito aplaudida e celebrada ao encerrar.


Filou e Stefan, que são os representantes do GHEIST nas gigs pelo mundo (fazendo o trio alemão muitas vezes ser referido como duo), assumiram na sequência para entregar o seu famoso set híbrido que os consagrou mundialmente. E embora a proposta misture discotecagem com live, a apresentação teve mais cara de show intimista, já que os seus melhores momentos estavam na execução das melodias ora introspectivas, ora grandiosas, das próprias produções — sobretudo quando eram acompanhadas pelos vocais suaves de Filou.


Stefan e Filou, do GHEIST - Foto: Jean Flanders


Quem estava por fritar pra valer preferiu a performance do debutante em solo brasileiro, o também alemão Konstantin Sibold, que fez a pista pegar fogo com um set que, embora baseado na sua assinatura melódica, foi mais sóbrio, áspero e sombrio. Apesar de já ser um nome estabelecido e conceituado na Europa, o DJ nitidamente estava vivendo um momento de alegria genuína ao, enfim, trazer sua arte ao nosso país — e gostou tanto da noite a ponto de ficar curtindo a pista depois de tocar.